top of page
2Faixa slide mod.tamanho.fw.png

Educação especial inclusiva inclusiva: conceituações, medicalização e políticas

...podemos inferir que o binômio inclusão/exclusão é uma construção – algo que se cria – e parte da lógica neoliberal

Sonia Lopes Victor

Alexandro Braga Vieira

Ivone Martins de Oliveira


O livro Educação especial inclusiva: conceituações, medicalização e políticas pode, em uma análise aligeirada de seu título, trazer a impressão de que estaremos diante de mais um entre os tantos títulos recém lançados que tocam no tema da educação em perspectiva inclusiva dos estudantes público-alvo da Educação Especial. Basta, entretanto, correr olhos sobre as páginas iniciais da primeira parte para que se constate que estamos diante de uma obra que se propõe a um alcance e profundidade muito maiores.


A obra, organizada pelos professores Sonia Lopes Victor, Alexandro Braga Vieira e Ivone Martins de Oliveira, da Universidade Federal do Espírito Santo, surpreende e indica que a lógica interna que vai conduzir suas reflexões avançará significativamente em relação aos caminhos que têm sido trilhados na área, ao apresentar, em seu texto inicial, a discussão relativa à educação das crianças pobres. Abrem-se as discussões destacando a invisibilidade em relação à realidade e às condições impostas pela “precariedade material extrema” à trajetória de escolarização de um grupo que vem sendo tradicionalmente silenciado nos documentos das políticas oficiais de educação que seguem proliferando as categorias dos “desviantes” à norma, sem atentar para um aspecto prevalente no cotidiano escolar: os interesses que movem a estruturação econômica da sociedade em contexto de uma política econômica neoliberal e que, sob o manto discursivo da “inclusão”, atuam intensamente na manutenção de uma massa de excluídos que lhe dê sustentação.



Educação especial inclusiva inclusiva conceituações, medicalização e políticas
.pdf
Fazer download de PDF • 2.52MB



Referências


AGUIAR, A. M. B. Calcanhar de Aquiles: a avaliação do aluno com deficiência intelectual no contexto escolar. 2015. 261 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.


BARBIER, R. A pesquisa-ação. Tradução de Lucie Didio. Brasília: Líber Livro, 2004.


BARROSO, J. Prefácio. Educação Comparada: rotas do além-mar. São Paulo: Xamã, 2009.


BAPTISTA, C. R. M. Políticas de Inclusão Escolar: perspectivas para a educação especial nos contextos brasileiro e europeu. In: BASSI, M. E.; AGUIAR, L. C. (Org.). Políticas Públicas e Formação de Professores. 1. ed. Ijui: Editora UNIJUI, 2009. v. 1. p. 159-174.


BRASIL. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades acentuadas de aprendizagem: deficiência múltipla. Brasília, DF: MEC/SEE, 2006. CURY, C. R. J. A educação básica no Brasil. Revista Educação e Sociedade. n. 80, Campinas, set. 2002. p. 169-201.


FRANCO, M. C. Quando nós somos o outro: questões teórico-metodológicas sobre os estudos comparados. Educação & Sociedade. Ano XXI, n. 72, ago./2000. p. 197-230.


JESUS, D. M. Políticas de inclusão escolar no Espírito Santo: tecendo caminhos teóricometodológicos. In: BAPTISTA, C. R.; JESUS, D. M. (Org.). Avanços em políticas de inclusão: o contexto da educação especial no Brasil e em outros países. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 45-56.


KASSAR, M. C. M. A formação de professores para a educação inclusiva e os possíveis impactos na escolarização de alunos com deficiências. Caderno Cedes, v. 34, n. 93, Campinas, maio/ago. 2014. p. 207-224.


LIMA, L. C.; AFONSO, A. J. Reformas da educação pública. Democratização, modernização, neoliberalismo. Porto: Edições Afrontamento, 2002. (Coleção Biblioteca das Ciências do Homem).


MENDES, E. G. Observatório Nacional de Educação Especial: estudo em rede nacional sobre as salas de recursos multifuncionais nas escolas comuns. Projeto de Pesquisa Observatório da Educação, Edital nº 38/2010, CAPES/INEP. Brasília, 2010.


NÓVOA, A. Histoire & comparaision (Essais sur l´education). Lisbonne: Educa, 1998.



NUNES, L. R. O. de P. et al. (Org.). Comunicar é preciso: em busca das melhores práticas na educação do aluno com deficiência. São Paulo: ABPEE, 2011.


NUNES, I. M. Política de Escolarização de sujeitos com diagnóstico de deficiência múltipla: tensões e desafios. 2016. 240 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016


OMS. Relatório mundial de saúde, 2006: trabalhando juntos pela saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Disponível em: http://digicollection.org/hss/documents/s15854p/ s15854p.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.


ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração de Salamanca e enquadramento da ação: necessidades educacionais especiais. Salamanca, Espanha, 1994.


_______. Declaração mundial sobre educação para todos. Tailândia, 1990.



_______. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, 2006.



_______. Convenção da Guatemala, 1999.


PLETSCH, M. D. Deficiência múltipla: formação de professores e processos de ensinoaprendizagem. Cadernos de Pesquisa. v. 45, n. 155, São Paulo, jan./mar. 2015. p. 12-29.



REZENDE, V. M.; ISOBE, R. M. R.; MOREIRA, F. A. Investigação comparada em educação:

aspectos teóricos e metodológicos. Revista Educação e Políticas em Debate. v. 2, n. 1,

Uberlândia, jan./jul. 2013.



RODRIGUES, D. Perspectivas sobre inclusão. Porto: Editora do Porto, 2003.



SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.



_______. A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. Revista crítica de ciências sociais. n. 80, Coimbra, mar. 2008. p. 11-43. 2008.


_______. Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.


TILLY, C. Grandes estruturas, grandes processos, comparações enormes. Nova Iorque: Russell Sage Fdtn, 1984.


VIEIRA, Alexandro Braga. Currículo e Educação especial: as ações da escola a partir dos diálogos cotidianos. 2012. 326 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.


150 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page