top of page
2Faixa slide mod.tamanho.fw.png

Educação especial e educação inclusiva: dicotomia de ensino dentro de um mesmo processo educativo

A Educação Inclusiva como acontece dentro da escola regular tem inúmeras vantagens para o aluno com deficiência

Ana Abadia dos Santos Mendonça


A educação nas últimas décadas passou por profundas transformações. Participando deste momento a Educação Especial e Inclusiva tiveram e tem os seus papeis de destaque colaborando neste cenário com uma proposta de atendimento aos alunos com deficiências em unidades escolares onde este alunado possam desenvolver suas potencialidades. O estudo do tema Educação Especial e Educação Inclusiva: dicotomia de ensino dentro de um mesmo processo educativo tem como objetivos discutir e traçar o papel que cada um destes processos educativos tem na educação de alunos com deficiências.


Diversos autores, com MANTOAN (2003, 2006, 2008, 2010), MAZZOTA (1996), CARVALHO (2005), GLAT & NOGUEIRA (2002), PEREIRA (2007) e SASSAKI (1997, 1998), dentre outros, discutem esta temática com convicção de que indivíduos deficientes devem estar inseridos num contexto escolar e aponta vantagens quando isso acontece. Discutimos os papeis de cada uma das modalidades de educação: especial e inclusiva traçando parâmetros da atuação no que tange o atendimento as pessoas com deficiências e pontuamos os pontos de destaque no que tange a escolarização desta parcela do alunado. Percebemos que embora todas as modalidades de ensino tenham um objetivo comum que é o atendimento e uma possível escolarização de indivíduos com deficiências, a Educação Inclusiva se apresenta de forma incisiva a mais viável para atender estes alunos.



Educação especial e educação inclusiva
.pdf
Fazer download de PDF • 256KB



Referências


BATISTA, Marcus Welby; ENUMO, Sônia Regina Fiorim. Inclusão escolar e deficiência mental: análise da interação social entre companheiros. Estudos de Psicologia. Vitória, v. 9, n. 1, abr 2004, p.101-111.


BEYER, Hugo. Otto. A Educação Inclusiva: incompletudes escolares e perspectivas de ação. Cadernos de Educação Especial. Santa Maria, v. 2, n. 22, 2003, p. 13-44.


BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei nº 9394, de 23 de dezembro de 1996. Lei que fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional Brasileira. Brasília: 1996.


BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Política Nacional de Educação Especial. Brasília, MEC/SEESP, 1994.


CARVALHO Rosita Edler. Educação Inclusiva: com os pingos nos is. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.


CAPOVILLA, Fernando César. Pesquisa e desenvolvimento de novos recursos tecnológicos para educação especial; boas novas para pesquisadores, clínicos, professores, pais e alunos. Brasília, n. 60, out./dez. 1993, p. 138-156.


GLAT, Rosana; NOGUEIRA, Mario Lúcio de Lima. Políticas educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. Revista Integração, Brasília, v. 24, ano 14, p. 22-27, 2002.


MANTOAN, Maria Teresa Égler; SANTOS, Maria Terezinha Teixeira dos. Atendimento educacional especializado: políticas públicas e gestão nos municípios. São Paulo: Moderna, 2010.


__________. Inclusão escolar: caminhos, descaminhos, desafios, perspectivas. In: Maria Teresa Égler Mantoan. (Org.). O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis / RJ: Vozes, 2008, v. 1, p. 29-41.


__________. Igualdade e diferenças na escola como andar no fio da navalha. Educação (PUC/RS), Porto Alegre / RS, v. XXIX, n. 1(58), p. 55-64, 2006.

__________. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003, 64p.


MAZZOTTA, Marcos. José Silveira. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996. 208 p.


MENDES, Enicéia, Gonçalves. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: v. 11, n. 33, p. 387-405, set/dez. 2006.


MRENCH, Leny Magalhães (Universidade de São Paulo) - A Educação Especial no Brasil. São Paulo: Sarvier, 2000.


PEREIRA, M. S. Semelhanças e Diferenças de Habilidades Sociais entre crianças com Síndrome de Down incluídas e crianças com desenvolvimento típico. 2007. 119f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, 2007.


RIPPEL, V. C. L.; SILVA, A. M. Inclusão de estudantes com necessidades especiais na Escola Regular. In: 1º Simpósio Nacional de Educação e XX Semana da Pedagogia. Unioeste: Cascavel, Paraná. 2003.


SASSAKI, Romeo. Kazumi. Inclusão, o paradigma da próxima década. Mensagem, Brasília, v. 34, n. 83, p. 29, 1998.


_________. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro; WVA, Revista Nova Escola, 1997.


STAINBACK Susan. Inclusão: Um guia para Educadores: Tradução- Magda França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas. 2004.


UNESCO. Declaração de Salamanca e Enquadramento da Acção na Área das Necessidades Educativas Especiais. Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais: Acesso e Qualidade. Salamanca, Espanha, 1994. 49p.



Comments


bottom of page